Mastercard retira nome da empresa do logo como estratégia de mercado

As inovações tecnológicas já diversificaram bastante a forma como as pessoas realizam pagamentos atualmente. Como exemplo dos talões de cheque e das cédulas de dinheiro, que quase foram extintos por causa dos cartões de crédito e débito, agora quem está sob constante ameaça são os próprios cartões, que deverão em breve ser substituídos pelos pagamentos digitais.

Pensando em todas essas questões, a empresa Mastercard revelou em novas notícias seu novo logo, que destaca todas essas mudanças vivenciadas pela sociedade em relação as diferentes formas de pagamento. De acordo com a Mastercard, a mudança do design de seu logo foi estruturada com o pensamento de um futuro sem cartões ou dinheiro em papel.

A maior mudança no logo está na retirada do próprio nome da empresa. Isso porque a Mastercard quer que os consumidores não assimilem a empresa apenas com “cartão de crédito”. Segundo a empresa, a ideia é levar o consumidor a uma associação da marca com “soluções de pagamento”. Isso porque a empresa pensa em lançar em breve novos métodos de pagamento que permitiram a mudança para o meio digital.

O logo manteve apenas os círculos vermelho e amarelo característicos da marca. Em 50 anos de existência da Mastercard, esta é a primeira vez que o nome da empresa fica de fora do logo. Em um comunicado feito à imprensa a Mastercard afirmou: “O consumo e o comércio tem evoluído continuamente, dessa forma o símbolo da empresa representa a Mastercard mais do que qualquer outra palavra. Por isso, mantivemos o design moderno e flexível para que a empresa fique por dentro do cenário digital”.

De acordo com a Mastercard, a mudança no logo foi sustentada por longos vinte meses de muita pesquisa. A empresa queria garantir que seus consumidores reconheceriam o logo da marca em qualquer lugar do mundo sem necessariamente ter o nome da empresa escrito. Por isso a empresa utilizou artifícios para testar a sua popularidade entre os consumidores mundiais, relacionando a força que os dois círculos da marca representam para o mundo. O resultado de toda essa pesquisa foi de que 80% dos consumidores foram capazes de reconhecer o símbolo da Mastercard de forma espontânea sem precisar ler o nome da empresa.

Economia empreendedora

Posted by ORN on February 4, 2019 in Empreendedorismo | Short Link
No Comments on Economia empreendedora

O treinamento pode mover um indivíduo apenas até o momento ao longo da jornada para se tornar um líder, porque o fato é que nem todos os líderes precisam do mesmo conjunto de habilidades . Eles só precisam das habilidades que atendem às demandas da situação específica e precisam saber quando e como usar essas habilidades efetivamente. Dado que os desafios enfrentados pelos líderes podem variar significativamente, é uma suposição não razoável pensar que todos os líderes precisam de habilidades básicas de gerenciamento ou que o mesmo conjunto de habilidades é necessário para um líder em potencial em várias situações futuras.

Mahatma Gandhi formou-se em direito pela University College London e trabalhou na África do Sul por duas décadas lutando contra a discriminação racial. Ele dominou a arte de fazer roupas caseiras que ele compartilhou com as pessoas em sua aldeia para cultivar a economia local. Este simples ato o tornou muito popular entre os habitantes locais.

Rosa Parks frequentou a Escola Industrial de Montgomery para Meninas e mais tarde a Faculdade de Professores do Estado do Alabama. Ela trabalhou em vários casos com a NAACP em Montgomery, Alabama, e era conhecida como uma costureira habilidosa. Na idade de 42 anos, sua ação desafiadora em um ônibus Montgomery lançou-a no centro das atenções da história.

Winston Churchill, filho de um proeminente político britânico, frequentou o Colégio Militar Real Britânico e depois serviu como correspondente de guerra, soldador, escritor e membro do Parlamento. Tendo trabalhado o seu caminho através das fileiras, ele foi nomeado primeiro-ministro em 1940. Ele exercia um uso admirável da linguagem e confiantemente reuniu sua nação devastada pela guerra com a proclamação de que “nós nunca nos renderemos!”

Não apenas os líderes devem ter a combinação de habilidades que correspondem às demandas da situação, mas o líder em potencial precisa ser determinado, corajoso e persistente o suficiente para trazer essas habilidades para resistir à oposição. Essas características são mais bem pensadas como traços de personalidade que podem ser identificados, mas não são facilmente entregues por meio de treinamento. Sem as características certas, um líder em potencial pode sucumbir aos desafios em questão. Gandhi, Parks e Churchill demonstraram esses traços, embora em diferentes momentos e de maneiras diferentes.

Um império do turismo criado pelo executivo brasileiro Guilherme Paulus

Atualmente o maior empresário da história do turismo brasileiro, Guilherme Paulus é reconhecido nacional e internacionalmente por seus serviços. Fundador da operadora e agência de viagens CVC, ele é o presidente do Grupo GJP, que administra a GJP Hotels and Resorts.

 

Paulus foi também membro do Conselho Nacional de Turismo e presidente do Conselho de Administração do Convention and Visitors Bureau de São Paulo. Ele também já deteve o cargo de vice-presidente de Relações Internacionais da Associação Brasileira de Agências de Viagens (ABAV).

 

Com o GJP Hotels and Resorts operando em mais de 20 localidades, como Maceió, Recife, Salvador, São Paulo e Rio de Janeiro, a Ideamensch viu valor na recuperação de uma entrevista de Guilherme Paulus.

 

Quando perguntado sobre a ideia inicial para a empresa, Paulus admite que a ideia realmente pertencia a Carlos Vicente Cerchiari. Ele conheceu o deputado estadual na época em uma viagem de barco, onde Cerchiari se propôs a um jovem Paulus se unir para iniciar uma agência de turismo em Sant André.

 

Paulus forneceu as bases e os esforços iniciais, Cerchiari forneceu o investimento. O empreendimento que colocaria Guilherme Paulus no mapa começou enquanto ele ainda trabalhava na Casa Faro como vendedor.

 

Suas habilidades em empreendedorismo vieram à luz no processo de abertura de seu primeiro local. Ele e Cerchiari foram parceiros durante quatro anos antes de Paulus ter iniciado por conta própria e começou sua impressionante expansão.

 

O dia típico para Guilherme Paulus começa com gratidão, diz ele. Um homem de negócios otimista ao extremo, entregando-se ao otimismo, ajuda Paulus a aguardar seu cronograma semanal organizado e produtivo todos os dias. Ao implementar ideias, o executivo valoriza a ação.

 

De acordo com ele, você simplesmente não sabe se uma ideia é boa, a menos que você a experimente. Quando se trata de tendências que o entusiasmam, Paulus fica feliz em ver como a tecnologia afeta a vida cotidiana.

 

As informações que viajam tão rapidamente de uma pessoa para outra permitem que ele interprete rapidamente as necessidades de seus clientes e implemente novos modelos ainda mais rapidamente. A conectividade constante também ajuda seus negócios, permitindo que ele acompanhe as tendências do mercado.

 

Guilherme Paulus quer tornar o Brasil um destino atraente para o turismo

 

Ainda durante a entrevista à Ideamensch, Paulus mencionou algumas dicas para os jovens de hoje sobre como gerenciar seu tempo e se manter organizado. Ele até disse que a melhor prática como líder de negócios é manter contato com os funcionários da empresa e também com os clientes.

 

É essa prática que o ajudou a se atualizar com os últimos acontecimentos na empresa e no setor de turismo. Isso também permitiu que ele entendesse o que motiva as pessoas de hoje a trabalhar duro para ajudar sua empresa a crescer. Os funcionários são o reflexo da cultura da empresa e ele quer melhorar.

 

O empresário de sucesso sente que muitos jovens executivos devem se juntar à indústria do turismo, pois há muitas oportunidades lucrativas de carreira para os candidatos certos no setor.

 

Paulus faz um esforço para tornar o Brasil desejável para os outros e quebrar os mitos que muitas vezes impedem as pessoas de visitar o local. Ele quer mostrar às pessoas que o Brasil tem algo para todos.

 

Quer se trate de casais ou familiares, todos podem passar momentos maravilhosos no Brasil. Ele também tentou aliviar as exigências de visto para muitos países residentes para que eles visitassem o país sem qualquer problema.

Tags: , , ,

Agenda do empresário Guilherme Paulus mantém foco no desenvolvimento dos setores turístico e hoteleiro

O empreendedor e empresário Guilherme Paulus, fundador da gigantesca operadora de viagens CVC e dono da GJP Hotels & Resorts, continua a dedicar-se vigorosamente em prol do desenvolvimento dos setores turístico e hoteleiro.

No final do penúltimo mês de 2018, o empresário marcou presença e participação no concorrido evento intitulado Fórum Conectividade – Hub de Negócios organizado pela Promo Marketing Inteligente em associação com a Mercado & Eventos. Na ocasião, centenas de profissionais e lideranças do setor aproveitaram o ambiente oportuno para a proposição de novas estratégias, ideias e alternativas com o objetivo de incentivar o avanço da indústria do turismo e da aviação comercial. O evento ocorreu no prestigiado Teatro Renaissance, situado na cidade de São Paulo, e foi dividido em 6 painéis. No painel intitulado “Formação de Hub”, o empresário Guilherme Paulus teve a oportunidade de entrevistar Arialdo Pinho, então secretário de turismo do Estado do Ceará. Na ocasião, Paulus e Pinho discutiram, entre outros assuntos, as melhores práticas para a cooperação e conectividade entre os diversos envolvidos na dinâmica aeroportuária.

Guilherme Paulus também já participou da série de encontros Você com o Presidente promovida pela ADVB/RS. Na ocasião, o empresário aproveitou a palestra “Empreendedorismo” para compartilhar parte da experiência executiva, gerencial e administrativa adquirida ao longo de quase 50 anos de atuação no ramo turístico. A participação do empresário foi credenciada tendo em vista a sua longa trajetória de sucesso nos negócios. Guilherme Paulus foi o responsável por alçar uma pequena agência de viagens do ABC Paulista ao posto de maior operadora de viagens do Brasil. Atualmente, a CVC Viagens possui mais de 1100 lojas distribuídas em todo o país e, todos os anos, transporta 4 milhões de pessoas. O faturamento da empresa superou, há muitos anos, a casa dos bilhões de reais.

Em dezembro de 2018, Guilherme Paulus utilizou seu patrimônio para a promoção do ramo hoteleiro de forma inusitada. Um dos hotéis da GJP Hotels & Resorts, o prestigiado Wish Foz do Iguaçu, foi o palco de apresentação da última etapa do circuito Iguassu Golf Tour. Mais de 70 jogadores puderam experimentar os campos de golfe sob tutela da bandeira Wish. Dentre os competidores, destacaram-se, também, argentinos e paraguaios. O evento notabilizou-se, dentre outras razões, ao atrair a atenção de importantes especialistas no assunto. Durante o evento, Paulus demonstrou a sua satisfação pessoal com o desempenho do então ministro do turismo Vinicius Renê Lummertz. A destreza na condução da transição de governo foi enfaticamente elogiada pelo empresário. Paulus também fez questão de salientar toda a confiança no trabalho de Marcelo Álvaro, novo condutor do ministério do Turismo. Finalizando, Paulus expressou alívio e comemorou a continuidade da pasta.

Os Bancos Centrais pelo mundo todo podem não estar preparados para uma nova recessão

Se houver uma recessão séria nesses próximos anos, os bancos centrais do mundo podem ter problemas graves no enfrentamento de tal problemática. Nesse sentido, os bancos centrais tomaram medidas dramáticas e pouco ortodoxas para evitar o colapso econômico durante a crise financeira. Eles cortaram as taxas de juros, e nos anos seguintes, gastaram trilhões em títulos como parte de um esforço para estimular o crescimento. Uma década depois, os bancos centrais globais estão apenas começando a reverter esses movimentos.

As taxas de juros nas economias desenvolvidas permanecem incrivelmente baixas; em alguns lugares, eles são negativos. Por exemplo, a Reserva Federal (Federal Reserve) dos Estados Unidos está se desfazendo de alguns dos títulos que comprou, mas os bancos centrais na Europa e no Japão ainda não o fizeram.

Segundo as notícias, a questão agora é se os bancos centrais esperaram muito tempo para elevar as taxas para níveis mais normais, deixando-os despreparados para a próxima crise. “Se tivermos uma recessão, acho que vai ser pior do que o normal”, disse Kenneth Rogoff, professor da Universidade de Harvard e ex-economista-chefe do Fundo Monetário Internacional.

Além disso, as perspectivas para a economia global diminuíram significativamente nos últimos meses, à medida que as tensões comerciais levaram o crescimento a desacelerar em países como China e Alemanha. O Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial reduziram suas previsões de crescimento para 2019, e especialistas alertam para mais problemas com os aumentos das taxas de juros nos EUA, conflitos comerciais e riscos geopolíticos, como o Brexit.

Por fim, há os movimentos sem precedentes dos bancos centrais para arrebanhar trilhões de dólares em títulos após a crise para apoiar o crescimento, uma política conhecida como flexibilização quantitativa, ou QE. Os Estados Unidos só começaram a encolher seu balanço de US $ 4,5 trilhões em outubro de 2017, e ainda mantém cerca de US $ 4 trilhões em títulos da dívida. Embora sua reserva federal possa tecnicamente iniciar o QE novamente, El-Erian disse que esse programa “provavelmente será menos eficaz na promoção do crescimento sustentável”.

A Europa só terminou seu programa de QE em dezembro depois de criar 2,6 trilhões de euros (US $ 3 trilhões) em dinheiro novo. O total de participações no Banco do Japão alcançou 554 trilhões de ienes (US $ 5,1 trilhões) no ano passado, enquanto permaneceu em modo de estímulo sob o governo de Haruhiko Kuroda. Esses ativos valem mais que toda a produção econômica anual do país.

Guilherme Paulus revela como fez a CVC se tornar a potência que é

A CVC tem mais de 8 mil agentes credenciados para atender aos viajantes. Para vender as viagens e montar o pacote dos sonhos, a empresa conta com mais de 700 lojas em todo o país.

Quem mora em um lugar sem uma agência física também não precisa se preocupar. Afinal, é possível ser atendido pela CVC online. Embora hoje tudo pareça simples e bonito, nem sempre foi assim. O empresário Guilherme Paulus teve que caminhar muito para transformar o seu negócio na maior agência de viagens da América Latina.

Tudo começou quando Paulus tinha 23 anos de idade. Ele havia trabalhado no setor de turismo e se encantou pela área. Decidiu, então, empreender.

Para isso, contou com a parceria de um sócio, mas ela não durou muito. Dois anos depois, Guilherme se viu sozinho, em um escritório na cidade paulista de Santo André, realizando viagens para empresas instaladas na região do ABC, no Estado de São Paulo.

As viagens eram terrestres, mas Paulus queria oferecer mais. Começou ofertando roteiros com hospedagem em hotéis maiores. Esse não foi um período fácil. Segundo ele, na época além de ter dificuldade para realizar a reserva em hotéis renomados, ele tinha pouco capital. Isso dificultava na hora de pagar, antecipadamente, as estadias dos clientes.

Porém, isso não desestimulou o jovem empreendedor. Pouco a pouco, a CVC foi crescendo e Guilherme Paulus chegou a fretar voos para levar um grupo de viajantes para o exterior. Atento ao mercado, aos concorrentes e às necessidades de possíveis clientes, o empresário decidiu facilitar o pagamento.

Na CVC, os clientes conseguiam parcelar suas viagens. Com isso, o empreendedor atingiu mais classes sociais e aumentou a sua clientela. Foi assim que, pouco a pouco, ele conseguiu transformar o pequeno escritório de Santo André na maior agência de viagens da América Latina.

 

Guilherme Paulus dá dicas para quem é empresário e que se destacar

Com tanta experiência na gestão e inovação empresarial, Guilherme Paulus decidiu dar algumas dicas para quem quer crescer. Para ele, o empresário precisa definir o ramo do empreendimento e se especializar no que faz. É preciso conhecer as novidades do setor e acreditar no serviço que está oferecendo. Só assim será possível vencer, garante Guilherme Paulus.

Outro ponto essencial, segundo dono a CVC, é estar pronto para os problemas e os imprevistos, que são diários. Segundo Paulus, uma empresa é como estar dentro de um jogo, ninguém sabe o que virá pela frente.

Claro que a programação financeira, de insumos, entre outros, podem ser programados, mas problemas sempre acontecem. Ele ressalta que só é possível alcançar o sucesso quando o empresário sabe lidar bem com eles.

É preciso também definir bem o objetivo e, claro, acreditar no que faz. Tudo isso, sem contar que deve encarar tudo como uma competição, na qual é preciso sempre estar a um passo à frente dos concorrentes e se destacar entre eles.

Como dica, ele fala que o empreendedor deve observar o que as empresas que são concorrentes diretas estão fazendo e ficar atento às buscas dos consumidores. Uma forma de interagir com quem procura a sua marca, segundo ele, é interagir e ler os comentários feitos nas redes sociais da organização.

Tags: , ,

Compartilhar conhecimento é essencial entre franqueador e franqueado

Um investimento que está em destaque e proporciona possibilidades de um bom faturamento é a franquia. Antes de investir em uma é preciso estar atento aos padrões da empresa. Ter uma proximidade e afinidade nos negócios vai determinar o nível de satisfação do empresário, por isso, quanto maior for o conhecimento, a experiência e o prazer no ramo, melhor será a rotina de trabalho.

Tomar decisões também é outro fator importante para quem vai investir. O empresário deve se envolver mais no ramo procurando ter mais informações sobre a franquia que escolher. Conversar com outros franqueados e visitar unidades trará uma maior dimensão do investimento.

Existem muitas opções no mercado, desde as mais acessíveis que permitem o trabalho por home office até as que exigem um alto custo com unidade. Ter grandes faturamentos não é o mesmo que ter grandes lucros, não se pode esquecer que faturamento é o total de todos os ganhos da empresa, e o lucro é o valor que se obtém depois que os custos foram descontados do faturamento.

Quem vai investir em um negócio que exige um alto investimento, precisa ter um suporte de uma equipe administrativa por causa da complexidade que essas franquias exigem. Ter experiência em gestão e conhecimento na área irá facilitar a rotina do empresário.

Algumas opções chegam a exigir um investimento inicial de 1,5 milhão de reais. Além do valor inicial é necessário também ter uma reserva para capital de giro e demais despesas pessoais. Conferir a rentabilidade e o tempo de retorno do investimento irá propiciar uma expectativa mais concreta do negócio. O dinheiro que é gerado nos primeiros anos de investimento não é o lucro, é o retorno do que foi investido.

A Circular de Oferta de Franquia (COF) é um documento importante da franqueadora e precisa ser minuciosamente lida, lá estão todas as instruções e informações necessárias para a operação. Poder contar com um advogado será útil para esclarecer dúvidas.

Os riscos do investimento precisam ter o suporte do compartilhamento de conhecimento entre o franqueador e o franqueado, isso trará mais segurança para as operações que precisam ser realizadas com eficiência.

Como ser um empreendedor de sucesso

Se você tem um conjunto de habilidades que estão em alta demanda, como desenvolvimento web, design gráfico, escrita, marketing de conteúdo, ou de outra forma, escolher sair por conta própria como freelancer, consultor ou construindo uma agência são ótimas maneiras de construir um negócio baseado em serviços em torno de seus interesses. Aproveite sua rede profissional existente para conseguir seus primeiros clientes pagantes, tocando antigos colegas de trabalho, conversando com conhecidos, reencontrando ex-colegas e perguntando se eles sabem de alguém que poderia usar seus serviços. Pregue seus primeiros projetos, crie um portfólio para destacar seu melhor trabalho e cresça por meio de referências durante o tempo que for possível antes de passar para o atendimento ao frio.

Produtos Físicos. Se você tem uma ideia para um produto físico que quer dar vida, seja escrever um livro, fabricar o próximo grande acessório do iPhone ou algo totalmente diferente, no final do dia, os produtos físicos precisam ser enviados de porta. a porta, como por exemplo uma Cesta de Presente. Depois de construir seu produto, ter um site de comércio eletrônico será uma obrigação, para que você possa comercializar seus produtos para um público on-line.

Seja parceiro de outras empresas que atingem o público-alvo para o qual você deseja vender, forjando promoções conjuntas, notícias, acordos de distribuição e parcerias de marketing para continuar crescendo a partir daí.

Produtos Digitais. Desde escrever e vender eBooks até cursos on-line de ensino, fazer modelos de design gráfico, dirigir uma revista on-line, produzir workshops on-line, seminários de treinamento e muito mais, um negócio baseado em produtos digitais pode ser atraente por vários motivos. Depois de criar seu produto, ele pode ficar no mercado por anos – acumulando mais vendas e aumentando sua lucratividade sem a necessidade de grandes atualizações, se você encontrar o nicho certo e descobrir as melhores estratégias de marketing para atingir seu público.

Blogging. Optar por iniciar um blog e construir sua autoridade dentro de sua área de interesse pode facilmente ser um dos melhores investimentos em seu futuro como empreendedor, mesmo que esse não seja seu principal modelo de negócios imediatamente. Comece escrevendo sobre tópicos pelos quais você tem paixão, comece a compartilhar com outras pessoas de sua comunidade que tenham os mesmos interesses e se espalhem a partir daí.

Lei do retorno ajuda mulher que encontrou carteira e devolveu

No final de 2018 a moradora de Lins, no interior de São Paulo, Simone Aparecida, ganhou notícias na internet. O motivo é que ela encontrou uma carteira com R$500 e fez questão de procurar o dono e devolver.

Seu gesto de honestidade comoveu muita gente que anda descrente da bondade humana. A dona da carteira foi encontrada pela PM, teve sua carteira de volta e deu uma gratificação para Simone. Já Simone, admitiu, após ser questionada pelo G1, que não tinha dinheiro para o Natal da família. Ela vive com seus sete filhos e paga aluguel.

Logo várias pessoas de diferentes cidades brasileiras começaram uma corrente do bem para levar doações para Simone. Os primeiros presentes vieram da vizinhança, com o dono de um comércio local lhe doando uma cesta básica e com vizinhos dando presentes para seus filhos.

Pela internet, foi criada uma vaquinha virtual para angariar dinheiro e ajudá-la. No ano de 2018 Simone passou por momentos muito difíceis, pois teve um AVC e uma parada cardiorrespiratória enquanto tratava um aneurisma de 2014. A sua internação e condição delicada fez com que a família gastasse mais dinheiro do que dispunha, se endividando.

A TV TEM, filiada da TV Globo na região de Sorocaba, fez uma matéria para mostrar a entrega de alguns presentes para Simone, que ficou muito agradecida pelo ato de bondade. Alguns dos doadores foram entrevistados e teve quem dissesse que sabe bem o quanto é terrível perder uma carteira e por isso quis ajudar Simone por ter tido uma atitude tão nobre.

Atualmente a única renda de Simone é o seu auxílio doença, que recebe por ter sido afastada do trabalho após seu aneurisma e trombose, e um salário minimo que seu marido recebe como ajudante geral.

Simone deixou claro que não conseguiria dormir se ficasse com algo que não é dela e que sempre ensinou seus filhos a nunca pegar o que não lhes pertence. E mais uma vez a lei do retorno provou que quem planta o bem, recebe o bem de volta!

Startup

Posted by ORN on January 8, 2019 in Empreendedorismo, Negócios | Short Link
No Comments on Startup

Adapte-se ou morra. Uma declaração enfática, mas que captura perfeitamente o espírito que impulsiona as startups. A busca por inovação é muitas vezes o que caracteriza esses empreendedores, que agora aproveitam as oportunidades possibilitadas pelas novas tecnologias digitais ligadas a uma ideia de negócio inovadora.

 

Uma startup pode ser definida como uma empresa emergente, normalmente com um componente tecnológico central e alto potencial de crescimento. Geralmente, essas empresas defendem uma ideia inovadora que se destaca na linha geral do mercado.

 

Dada a crescente relevância da economia desse tipo de empresa emergente, que gerou alguns dos titãs que hoje dominam o mercado (Facebook, Amazon ou Google, por exemplo), não é de surpreender que o fenômeno de startup esteja atraindo cada vez mais atenção e que O número de empresários dispostos a arriscar e se aventurar fora de sua zona de conforto para tentar a sorte com um modelo de negócios inovador está crescendo.

 

Tipos de financiamento. Em comparação com outros tipos de empresas mais tradicionais, as startups também representam uma grande mudança em termos do componente econômico ligado à criação de uma nova empresa. Dado que os custos iniciais de desenvolvimento são muito mais modestos do que os negócios tradicionais exigem, as necessidades de financiamento também serão menores .

 

Embora essas empresas atraiam uma variedade maior de investidores, esses são alguns dos players típicos que as startups usam para financiar seus projetos:

 

Família e amigos). Embora alguns não os considerem como investidores reais, eles desempenham um papel fundamental nos primeiros estágios de uma empresa. São pessoas próximas ao empreendedor , que contribuem com uma quantidade limitada de capital no começo, quando a ideia não é desenvolvida o suficiente para convencer qualquer outra pessoa a investir.

 

Business Angels. Esses anjos são pessoas que decidem apoiar o projeto e investir seu próprio dinheiro para se envolver em um novo negócio. Com contribuições de capital que raramente excedem € 50.000, esses investidores geralmente se envolvem no projeto em outros níveis, contribuindo com sua experiência, conexões ou clientes.

 

Capital semente. O capital inicial geralmente aparece nos estágios iniciais do ciclo de financiamento de uma empresa, antes de se tornar lucrativo. Quanto mais sementes a empresa atrair, maior será a probabilidade de sucesso.

Copyright © 2016-2019 Falando de Frente All rights reserved.
This site is using the Shades theme, v2.4.1, from BuyNowShop.com.